Alternativa de Vida Alternativa de Vida
Voltar

gif
Envie a um(a) amigo(a)

Luz Cigana

Existem muitas teorias sobre a origem dos ciganos. Li muitas teorias que diziam que os ciganos vieram da Índia (de acordo com esta visão seriam orientais) e li outras que diziam que os ciganos vieram de outras partes do mundo.
Dois grandes países aqui na Terra são referência da Espiritualidade e do Espiritualismo, lugares cheios de mistérios e fascínio, pois os conhecimentos ocultos não se revelam. Um desses lugares é o Egito, e o outro, a Índia.
A cultura cigana é muito Espiritualista e posso afirmar que o povo cigano teve sua origem no Egito Antigo, pois o Mestre Yaco (um ser que foi cigano e ascencionou há 7.500 anos atrás) manifesta-se através do médium Michel; este possui uma mediunidade excelente, onde até mesmo a entidade consegue falar de seus defeitos e o que tem que melhorar), conta que os ciganos vieram do Egito e que os ciganos de hoje são muito diferentes dos ciganos de origem.
Há muito, muito tempo mesmo um povo foi escravizado, e logo depois exilado. Desse povo veio a promessa de nunca mais se deixar escravizar.
Eles seguiram em frente como nômades, seguindo de um lugar para outro. Esse povo eram os ciganos, e o que mais se caracteriza neles é a forma de se vestir com seus coletes, calças e camisas sociais, panos na cabeça, colares, anéis e brincos, sua dança e sua magia, estando nela a alquimia (transformação do metal e de outros elementos em objetos preciosos), a magia do fogo e da prosperidade.
Freqüento um centro espiritualista chamado P.S.E. e lá, quase toda semana, aparece o Mestre Yaco ensinando coisas sobre os ciganos muito úteis para a nossa evolução espiritual.
Certo dia, Mestre Yaco me pediu um CD de música cigana para ele usar no P.S.E. Também pediu para dançarmos. Foi muito gostoso. No final da seção perguntei:
– Yaco, qual é a forma dos ciganos desenvolverem a consciência (despertar a consciência é a evolução espiritual).
Mestre Yaco respondeu:
-– É a dança, pois a dança é a vida.
Daí, fiquei pensando sobre o assunto, pois gostaria de escrever para vocês coisas sobre a evolução espiritual.
A dança é um modo de ser diante da vida. Muita gente se reúne aqui na terra para dançar, dançam em locais chamados de danceterias, onde ocorre muito promiscuidade, pessoas se beijam sem se conhecer, em alguns locais até fazem sexo sem se conhecer. A dança é para a maioria das pessoas um flerte, uma maneira de se aproximar de alguém para satisfazer desejos promíscuos, de mostrar seu corpo, mexer o corpo que vai justamente cometer um ato do qual não seria bom que cometesse, pois se você se dá para qualquer um é porque no mínimo você não se dá valor (é de qualquer um).
E na dança, pelo modo como a pessoa se movimenta, sabe-se justamente quem ela é, os seus defeitos e o que faz.
Conheci uma pessoa que se sentia superior às outras, e era assim porque queria ser assim, então esta pessoa treinava a semana toda na frente do espelho para dançar e ser melhor que todo mundo e se sentir superior a todo mundo. Quando esta pessoa dançava dava para ver que o que ela queria era se mostrar.
Mas isso nada tem a ver com o modo correto de dançar, dançar por amor, devoção, por alegria etc.
No aprendizado cigano assimila-se que a dança imita a vida; quando você dança vai pensando no modo de como lidar com a vida.
Na cultura cigana a dança é vista como uma coisa muito boa, boa demais, então os ciganos quando dançam aprendem que a vida é boa. Eles encaram a dança com alegria e aprendem que a vida é alegria. Mas muito mais do que isso, se você dançar é ver os desafios da vida, as dificuldades, o modo de dançar; balançar é você imitar toda uma situação na dança e enxergá-la melhor, pois evoluir espiritualmente é tomar consciência das coisas que estavam obscuras para nós.
Temos dificuldade para enxergar nossos defeitos, as nossas qualidades e as pessoas que mentem para nós e tentam representar uma coisa que na verdade não são.
O processo de evolução é rasgar estas ilusões, pois evoluir é se transformar em algo melhor, e não dá para transformar uma coisa da qual não temos consciência.
Tomando consciência dos seus defeitos, qualidades e quem os outros são, você transformará, pouco a pouco os erros em acertos, perturbação em paz interior, sentimentos ruins em bons, falta de visão em sabedoria, falsidade e mentira em verdade, vazio em plenitude, incompreensão em sabedoria e fé, preguiça em ter motivação etc...
A dança para evolução é como uma reflexão, porém muita mais gostosa do que uma reflexão e para muitas pessoas, é muito mais forte também. Você repassando na dança uma situação que tenha um significado para você (bom ou ruim), seu modo de lidar com uma situação e dos outros, e com isso você pode ver seus defeitos, suas qualidades e quem o outro é. Isso com toda a mágica, a alegria, a energia, o balanço e o movimento que a dança proporciona.
Na dança, puxar uma situação e enxergá-la é tomar consciência. O balanço e movimento do corpo, após a tomada de consciência, é a forma de como a pessoa está lidando com aquilo que ela percebeu e como vai ocorrer sua transformação.
Dançar para desenvolver a consciência é o objetivo de cada passo; cada balanço é um modo de lidar com uma situação.
Porém, muitas vezes a dança é uma máscara para enganar os outros e a nós mesmos sobre o modo como nos comportamos e o que fazemos, assim sendo não dá para se desenvolver muito na dança, pois só sendo você mesmo, assumindo os seus desafios, suas dificuldades, a disposição para lidar com tudo isso é que você consegue ser verdadeiro com você e lidar com a vida.
Penso que a dança não deve ser ensinada com os passos certos, pois cada um com a sua criatividade dança do seu modo, assim como com sua criatividade aprende a lidar com a vida, pois não haveria desenvolvimento se a dança fosse imitação.
Dancem sempre livres! Que tal se aventurar nesta prática? Coloque a musica que queiras e baila!
[Para ler mais sobre a origem egípcia do povo cigano, leia o artigo de Mirian Stanescon que está na página http://www.mirianstanescon.com.br/top_trajetoria.html do portal http://www.mirianstanescon.com.br]
Ricardo Chioro

Autor do artigo: Ricardo Chioro

Contribuíção: Ricardo Chioro


Contribua com seu artigo  gif

Grande parte da vitalidade de uma amizade reside no respeito pelas diferenças, não apenas em desfrutar das semelhanças.
Autor:   James Fredericks
Copyright © 2004-2017 - Alternativa de Vida - Todos os direitos reservados.